A área de Recursos Humanos e suas transformações


16/04/2018
Por Grupo Cia de Talentos

No início da carreira, quando se está em busca de qual caminho seguir, algumas dúvidas podem surgir. Para quem namora a ideia de trabalhar com recursos humanos não é diferente e a seguinte dúvida pode surgir: “será que eu trabalho para um Departamento Pessoal (DP), Recursos Humanos (RH), uma área de Gente e Gestão ou de Desenvolvimento Organizacional (em que até de employer branding eu tenho que cuidar)?”
 
A dúvida é muito pertinente, pois cada modelo de gestão e estratégia de negócio pode exigir um foco. No entanto, a pergunta que devemos nos fazer é: qual será o futuro dessa área e como podemos nos preparar para ele?
 
Momento de grandes transformações
 
Vivemos em um mundo VUCA, marcado por constantes e rápidas mudanças. Por isso, hoje, um profissional de RH precisa, no mínimo:

- Conhecer o modelo de negócio da empresa em que atua. Produto ou serviço, não importa, o fundamental é entender onde tudo começa e onde tudo termina. Quais são seus fatores de sucesso?
- O que esta organização busca para hoje e amanhã? E que tipo de pessoas ela precisará atrair e por quanto tempo, para que possa atingir seu objetivo?
- As exigências em termos de sustentabilidade;
- O que os consumidores esperam daquela organização;
- O que atrairia profissionais competentes para a empresa;
- Qual é a cultura dessa companhia e, dentro disto, o que se quer manter e mudar?

Apuradas essas questões é hora de fazer outras perguntas, dessa vez a si mesmo:

- Eu sei conversar sobre o negócio e suas necessidades com os gestores? Domino os números da minha organização? Conheço o impacto financeiro de despedir uma pessoa e contratar outra no orçamento da área que atendo?
- Tenho clareza de como os consumidores enxergam a marca da empresa? Consulto o Reclame Aqui ou outras fontes para me manter atualizado?
- Marco treinamentos que conflitam com as agendas dos negócios?
- Fico dizendo que o gestor não é um líder, continua sendo chefe, ou vou entender o porquê de ele ainda não ter mudado?
- Eu realmente defendo a diversidade em uma seleção ou fico refém da vontade do gestor e pronto?
- Trabalho em uma empresa B2C, com pouca visibilidade no mercado. Qual caminho escolho: converso com o marketing ou com a assessoria de imprensa para traçar um plano visando apresentar minha organização ao público de nosso interesse ou fico sentado esperando que algo seja feito?
 
É muito importante dizer que empregabilidade tem a ver com o valor que você gera, portanto, ser curioso, fazer mais e melhor é essencial neste processo. E, no final das contas, carreira tem muito a ver com escolhas. É sobre decidir onde se quer estar e trabalhar para alcançar seus objetivos. Isso exige, no mínimo, curiosidade para entender em que mundo vivemos, escolher o seu lugar e agregar valor!

por Martha Magalhães
Consultora de Carreira